ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Colunistas

Em Delmiro

Educação & Oportunidade

segunda-feira, 24 de julho de 2017

USP comprova que leite é capaz de reduzir quantidade de chumbo no organismo

Estudo da USP aponta que cálcio encontrado no leite pode expulsar o chumbo do corpo humano (Foto: Claudemir Camilo/Reprodução EPTV)

Uma pesquisa da Faculdade de Farmácia da USP em Ribeirão Preto (SP) comprova que o leite é capaz de diminuir a quantidade de chumbo no organismo e, consequentemente, reduzir o nível de intoxicação em profissionais que atuam com esse tipo de metal.

A descoberta pode resultar em um novo modelo de tratamento em seres humanos, mas o farmacêutico e pesquisador William Robert Gomes alerta que a ingestão de leite não substitui o uso de equipamentos de proteção, principal aliado na prevenção.

“O chumbo pode levar até à morte se não houver um tratamento adequado e não houver um exame periódico para detectar essas concentrações altas. O leite deve ser um auxílio para evitar que essas concentrações subam a um nível extremo”, explica.

Pesquisadores avaliaram 237 funcionários de indústrias de baterias automotivas por dois anos  (Foto: Claudio Oliveira/EPTV)

O estudo avaliou 237 funcionários de indústrias de baterias automotivas, que ficam expostos ao chumbo por longos períodos, e comprovou que aqueles que consumiam leite e derivados ao menos três vezes por semana tinham menos concentração do metal no organismo.

Gomes afirma que o principal responsável pelo resultado é o cálcio, que pode agir como uma espécie de protetor, expulsando o chumbo do corpo e, principalmente dos ossos, onde pode se acumular e permanecer por até 30 anos.

“O cálcio e o chumbo têm uma estrutura um pouco parecida, então, quando os dois estão juntos, há 
uma competição, onde o cálcio pode deslocar o chumbo do organismo e ele pode ser eliminado mais facilmente”, diz.

O pesquisador William Robert Gomes da Faculdade de Farmácia da USP  (Foto: Claudio Oliveira/EPTV)

Ainda segundo o pesquisador, a alta concentração de chumbo no corpo humano altas pode causar problemas neurológicos, doenças no coração, nos rins, no estômago e ainda alterações no sangue.

Além de ser usado na indústria automotiva, esse tipo de metal está presente na construção civil, produção de vidro e pigmentação de tintas. O pintor Candido Portinari (1903-1962), por exemplo, morreu em decorrência de intoxicação por chumbo que havia nas tintas usadas em suas obras.

“Na verdade, a melhor prevenção ainda é o uso de equipamentos de proteção, como luvas, máscaras, o leite seria apenas um auxílio para oferecer uma vida melhor. Mas, a prevenção ainda é o melhor remédio”, afirma Gomes.

Bem Estar
 
Copyright © 2013 Ferreira Delmiro - Seu blog de notícias e opinião.
Shared by Themes24x7Powered byBlogger