ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Colunistas

Em Delmiro

Educação & Oportunidade

sábado, 24 de setembro de 2016

Neurocirurgiã recomenda atenção a dores de cabeças repentinas e persistentes


Sabe aquela dor de cabeça que acomete o paciente diariamente e que se mostra pior a cada dia? Pois é, a neurocirurgiã do Hospital Geral do Estado (HGE), Jeane Ricardo, alerta que algumas delas podem acompanhar doenças graves como infecções do sistema nervoso, tumores, hemorragias intracranianas, isquemias, vasculites, trombose venosa, entre outras doenças. Uma consulta ao neurologista é fundamental para descartar qualquer enfermidade mais grave.

Lúcia Santiago, 33 anos, trabalha na área da saúde. Dia desses chegou em casa após um dia de trabalho com mal-estar e dor de cabeça insuportáveis. Imediatamente correu para o hospital com receio de um acidente vascular cerebral (AVC) ou ruptura de algum aneurisma. Eram sintomas de uma enxaqueca que ela não sabia possuir.
 
“Investigar a dor e os sintomas que a acompanham deve ser a primeira atitude da a  ser tomada. Existem alguns tipos que são preocupantes. Uma dor de cabeça repentina, explosiva, as com sintomas neurológicos associados e as que envolvem sinais de infecções devem ser observadas por um profissional da área”, comentou a neurocirurgiã Jeane Ricardo.

Segundo a especialista, as dores repentinas podem indicar rupturas de aneurismas cerebrais. Aquelas com sintomas neurológicos, como quando a dor vem acompanhada de fraqueza muscular, confusão mental, alterações visuais ou dificuldades para falar ou caminhar, podem ser indicativos de acidentes vasculares, por exemplo.
 
Dores que envolvem febre ou outros sinais de infecção, como dores no corpo, náuseas e vômitos também devem receber uma atenção especial, de acordo com a neurocirurgiã. Ela recomendou observar se existe dificuldade para movimentar o pescoço, manchas pelo corpo ou mesmo calafrios.

“Esse tipo de associação pode significar uma meningite, um abscesso cerebral, uma sinusite ou mesmo uma dengue. Em pessoas debilitadas e idosos os cuidados devem ser redobrados. Pessoas acima de 60 anos, com antecedentes de tumores, problemas de coagulação, imunidade baixa, gestantes, crianças pequenas, etc. merecem sempre uma investigação especial,” explicou Jeane Ricardo.

Cefaleias e enxaquecas

Uma investigação mais detalhada deve ser feita quando a dor de cabeça acontece durante o ato sexual ou ao realizar alguma atividade física. “Isso para descartar o temor da ruptura de um aneurisma cerebral. As dores progressivas, com evolução arrastada e que piora a cada dia, devem ser investigadas”, observou.

A médica explicou que muitas cefaleias primárias trazem problemas para o indivíduo. No entanto, não ocasionam sequelas. A enxaqueca é uma forma de cefaleia. Os sintomas da enxaqueca são dor de cabeça, geralmente do tipo pulsátil, latejante, acompanhada de náuseas e/ou vômitos e sensibilidade à luz e sons.

A Sociedade Internacional de Cefaleia reconhece mais de 150 tipos de dor de cabeça, entre elas a enxaqueca, que causa um grande impacto na vida dos pacientes. Segundo a especialista, pessoas com dores de cabeça frequentes ou intensas e que ocasionam perda de qualidade de vida, podem se beneficiar com tratamentos específicos, orientados por um profissional. A automedicação é altamente rejeitada pelos especialistas da área. Segundo eles, pode trazer problemas, além de adiar benefícios.
 
“O controle da dor é geralmente alcançado com o seguimento neurológico adequado. O tratamento das cefaleias, em especial da enxaqueca, é dividido em dois tipos: medicação para a crise e medicação pra prevenir as crises. Crises de enxaqueca podem ser desencadeadas, muitas vezes, por fatores emocionais, determinados alimentos, mudanças no horário de alimentação ou sono, exposição ao calor excessivo, entre outros”, disse a neurocirurgiã.

No que se refere a dores após traumas na região da cabeça, a especialista recomendou a avaliação médica e observação por familiares. “O trauma pode causar sangramentos, inchaço, contusões. Após qualquer tipo de traumatismo craniano, a dor na região da cabeça deve ser observada, inclusive por profissionais da área da saúde. Os idosos, crianças e alcoólatras são os mais susceptíveis a complicações de traumas”.


Agência Alagoas
 
Copyright © 2013 Ferreira Delmiro - Seu blog de notícias e opinião.
Shared by Themes24x7Powered byBlogger