ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Colunistas

Em Delmiro

Educação & Oportunidade

Destaques

Diversos

Política

Saúde e Bem Estar

Mundo

Projeto Casca

CASCA – Centro de Ação Social para Crianças e Adolescentes, é uma entidade associativa, sem fins lucrativos, apolítica, composta por pessoas físicas unidas no ideal de fraternidade e consciência social. É uma instituição de Solidariedade.

Faça sua arte com Anderson C. Sandes

Panfletos, cartões de visitas, fachadas, flyers, blogs, logotipos, camisetas e muito mais...

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Baleia encalha morta na praia de Tatuamunha em Porto de Pedras

Uma baleia da espécie minke encalhou morta na praia de Tatuamunha, em Porto de Pedras, na manhã desta quinta-feira (22). O mamífero, que mede aproximadamente 7,90 metros de comprimento, chamou a atenção das pessoas que passavam pela região.
De acordo com Flávia Rego, bióloga e presidente da Associação Peixe-Boi, trata-se de uma baleia fêmea filhote.
O animal apresenta uma marca de mordida de tubarão na calda. Mas, segundo a especialista, não é possível precisar o motivo da morte.
"Ainda não dá para saber o que realmente pode ter causado o óbito da baleia. Ela apresenta uma mordida de tubarão na calda, mas ainda é cedo para afirmar que essa foi a causa da morte. Estamos coletando amostra para analise e só nos próximos dias teremos uma resposta", disse.
Para remoção do animal do local, uma retroescavadeira foi utilizada. Foram até a área especialistas da Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais (APACC) e do Instituto Biodiversidade. O Instituto Biota de Conservação também foi acionado.
Especialistas retiram amostra de baleia encontrada morta em praia
FOTO: FLÁVIA REGO/CORTESIA


























Motivo que pode ter levado à morte do animal ainda é desconhecido
FOTO: FLÁVIA REGO/CORTESIA

























Baleia da espécie Minke mede aproximadamente 7,90 metros
FOTO: FLÁVIA REGO/CORTESIA



.GazetaWeb.com

Agência Nacional de Águas lança medidas de preservação do São Francisco

Medida proíbe, principalmente, que indústrias e irrigantes retirem água do rio nos dias de quarta-feira

A Agência Nacional das Águas (ANA) lançou, na terça-feira (20), o Dia do Rio, medida que tem foco na preservação dos estoques nos reservatórios das bacias do rio São Francisco. A partir desse semana, até o final do mês de novembro, está proibida a captação de águas na bacia do Velho Chico nas quartas-feiras.

A iniciativa da ANA reforça as ações que já vêm sendo adotadas para conter o esvaziamento dos reservatórios do São Francisco, que há sete anos recebe um volume de água das chuvas abaixo da média. A medida proíbe, principalmente, que indústrias e irrigantes retirem água do rio nos dias de quarta-feira. O consumo humano e animal estão fora dessa proibição.

A medida é mais um esforço para evitar recorrer ao volume morto de Sobradinho até novembro, quando está previsto o fim do período seco. Para preservar os estoques, desde abril de 2013 a ANA vem autorizando a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) a reduzir a vazão mínima média de afluente dos reservatórios de Sobradinho, o maior da Bacia Hidrográfica. Sem essas medidas, Sobradinho teria esgotado seu volume útil em novembro de 2014.

A nova regra afeta mais de dois mil usuários, principalmente irrigantes e indústrias, na calha do rio São Francisco, em 14 afluentes de gestão federal, nos lagos dos seis reservatórios da Bacia e no complexo Paulo Afonso, na Bahia.

Usuários que descumprirem a Resolução ANA nº 1.043/2017, publicada na terça-feira (20), no Diário Oficial da União (DOU), estarão sujeitos à aplicação da Lei, que inclui advertência, multas, até a vedação da bomba de captação.


 Por Blog Adalberto Gomes Noticias com Agência Alagoas

99% dos professores brasileiros ganham menos de R$ 3,5 mil, diz estudo

         Foto: (Reprodução EPTV)

Praticamente todos os professores que atuavam na educação básica (incluindo os ensinos infantil, fundamental e médio) no Brasil em 2014 ganhavam, em média, menos de R$ 3.500, segundo dados inéditos divulgados nesta quarta-feira (21) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A média de remuneração mais baixa é a de docentes que trabalham em escolas particulares: eles recebem R$ 64,98 por hora, ou R$ 2.599,33 por mês, considerando a remuneração total para 40 horas semanais, o que equivale a 3,6 salários mínimos.

Na rede municipal, onde atua metade dos professores, a média de remuneração é de 4,3 salários mínimos. Na estadual, os professores recebem em média o equivalente a 4,8 salários. Já os professores da rede federal são os mais bem pagos do país: eles recebem em média R$ 194,20 por hora de trabalho, ou R$ 7.767,94 por mês. Neste caso, a remuneração sobe para 10,7 salários mínimos, o triplo dos . As vagas de docentes na rede federal, porém, representam apenas 1% dos professores do país. Atualmente, o salário mínimo equivale a R$ 937, mas, em 2014, ele valia R$ 724.

O levantamento foi feito pelo Inep com o cruzamento do CPF de mais de 2 milhões de professores em duas bases de dados: o Censo Escolar, realizado todos anos pelo próprio Inep, e os valores da remuneração mensal informados pelos empregadores na Relação Anual de Informações Sociais (Rais), feita pelo Ministério do Trabalho. Os dados são relativos ao ano de 2014 e, segundo o Inep, representam informações sobre o pagamento feito a 87,4% dos professores do país.

Considerando os 2.184.395 vínculos empregatícios encontrados no estudo (há professores com mais de um vínculo), apenas um quarto deles está na rede privada de ensino, e só 1,1% dos docentes atuam na rede federal de educação básica. Os dados sobre as redes estaduais incluem 25 estados e o Distrito Federal: de acordo com o Inep, o governo estadual do Rio de Janeiro pediu que os dados sobre a rede pública do estado não fossem divulgados por causa de um "equívoco" na carga horária média informada ao Ministério do Trabalho. Em 2015, a rede informou ao G1 que seus professores estaduais são contratados para cumprir uma carga horária de 16 horas por semana.

Piso salarial estipulado por lei

Para o ano de 2017, o piso salarial para professores da educação básica, com formação de nível médio, é de R$ 2.298,80 para um regime de trabalho de 40 horas por semana (em 2014, esse valor era de R$ 1.697,39). Porém, a lei que instituiu o piso determina que esse valor corresponda apenas ao salário-base. Já o levantamento feito pelo Inep considera a "remuneração mensal", ou seja, além do salário-base, inclui todos os bônus, gratificações, comissões e demais vantagens que podem compor o pagamento aos docentes – o único valor excluído do cálculo é o 13º salário.

Por isso, não é possível verificar, usando os dados divulgados nesta quarta-feira, quantas redes pagam, atualmente, o valor mínimo definido por lei para os professores brasileiros. Em janeiro, quando o piso atual foi anunciado pelo Ministério da Educação, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) informou que 14 estados não cumpriam o piso nacional da categoria.

Veja abaixo a evolução do piso salarial desde a entrada em vigor da lei, em 2009:
Veja a evolução do salário dos professores desde 2009 (Foto: Editoria de arte/G1)


Remuneração mensal x pagamento por hora

A maioria das redes não tem contratos de trabalho de 40 horas semanais com os professores: apenas na rede federal a média de horas chegou a 39. Nas demais redes (estaduais, municipais e privadas), a carga horária média dos contratos é de 30 horas). Para garantir o efeito compartivo do estudo, o Inep fez um cálculo para padronizar os salários reais de cada rede, caso a carga horária média de todas fosse de 40 horas por semana.

É possível comparar, também, quanto ganham de fato os professores por hora trabalhada (considerando 60 minutos, e não as horas-aula, que podem variam entre as redes). Com base nas informações do estudo do Inep sobre a remuneração bruta média em cada rede e a carga horária média dos contratos, o G1 calculou o pagamento médio por hora que os governos e os empregadores privados pagam aos docentes.

Veja abaixo a remuneração média por hora em cada rede. Os dados incluem tanto os professores com diploma de ensino superior quanto os que têm apenas formação de nível médio.

Remuneração dos professores em nível NACIONAL
Compare o valor médio pago POR HORA TRABALHADA aos professores em cada rede de ensino
Valor pago por hora de trabalho (em R$)194,2194,286,9186,9177,9177,9164,9864,98REDE FEDERALREDE ESTADUALREDE MUNICIPALREDE PRIVADA0255075100125150175200225REDE FEDERALRede de ensino
 194,2
Fonte: Inep (os valores foram calculados pelo G1 a partir da remuneração bruta média e a carga horária média semanal de cada rede informados no estudo)
Os valores acima se referem à remuneração total recebida pelos professores no ano de 2014. De acordo com um levantamento feito pelo G1 em 2015, junto às secretarias estaduais de educação de todo o país, levando em consideração apenas o salário-base, um professor com diploma de licenciatura ganhava, em média, R$ 16,95 a cada 60 minutos de trabalho em sala de aula ou preparando as aulas. Na época, o MEC contestou os dados porque eles excluíam do cálculo as gratificações, bonificações e demais pagamentos que compõem a remuneração total.

Redes estaduais

As redes estaduais representam mais de 700 mil vínculos empregatícios e têm como principal responsabiliade os anos do ensino médio. O estudo do Inep localizou as informações de remuneração de 95,6% dos professores vinculados a uma das 27 redes.

G1

Acidente entre duas ambulâncias, ônibus e carreta deixa 15 mortos no ES, diz Sesp

Acidente em Guarapari deixa mortos e feridos (Foto: Internauta/ Gazeta Online)

Um acidente envolvendo duas ambulâncias, uma carreta e um ônibus deixou 15 mortos e vários feridos no km 343 da BR-101, em Guarapari, Grande Vitória. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), às 9h18. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que o número de mortos pode ser maior porque as equipes ainda estão no atendimento.

O acidente aconteceu por volta das 5h50 desta quinta-feira (22). Até as 8h30, os dois sentidos da rodovia estavam interditados.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que a carreta, que transportava rocha, invadiu a contramão e bateu com um ônibus da Viação Águia Branca, que seguia de São Paulo para Vitória.

As duas ambulâncias seguiam atrás do coletivo e também foram atingidas. Os dois veículos pertecem aos municípios de Jerônimo Monteiro e Alfredo Chaves.

Ainda segundo a PRF, a maioria das vítimas teria morrido carbonizada. Os feridos estão sendo levados para o Hospital Jayme Santos Neves, Antônio Bezerra de Faria e o Hospital São Lucas, na Grande Vitória.

O secretário de Saúde de Jerônimo Monteiro, José Maria Justo, disse que o veículo do município era uma mini-van Doblô. Nela, estavam o motorista e cinco passageiros - três pacientes e dois acompanhantes. Segundo Justo, para evitar a colisão com a carreta e o ônibus, o motorista tentou desviar para o acostamento, mas acabou batendo na traseira da ambulância de Alfredo Chaves.

O motorista morreu no local do acidente e os passageiros não tiveram ferimentos. "Estamos com um sentimento de tristeza muito grande. Perdemos um colega de trabalho. Agora, os passageiros estão na sede da polícia em Anchieta, aguardando o transporte da prefeitura para que possam voltar para Jerônimo Monteiro", disse o secretário.

A Prefeitura de Alfredo Chaves informou que na ambulância do município estavam um motorista, uma paciente e um acompanhante. Os três estão bem e já receberam atendimento médico. Segundo a prefeitura, o motorista tentou desviar do acidente e acabou capotando. A paciente seguia para um hospital de Vitória para tratar de uma torção no pé.

Águia Branca

A Viação Águia Branca foi procurada pelo G1 e informou que ainda não tem detalhes sobre o acidente. Uma equipe da empresa foi até o local.
Trânsito

A PRF também orienta que os motoristas utilizem rotas alternativas. A polícia disse que após a batida, os veículos se espalharam pelos dois sentidos da rodovia e bloqueiam todas as pistas.
O inspetor Camata, da PRF, explicou que o atendimento vai exigir esforços de várias instituições e deve levar tempo.

Aos motoristas que saem de Vitória com destino ao Sul do estado, a opção é pegar a Rodovia do Sol, seguir em direção ao Contorno de Meaípe, passar por Anchieta e só voltar para a Rodovia do Contorno para sair do Distrito de Jabaquara, em Anchieta, no Km 354. No sentido oposto, o motorista segue o mesmo caminho, entrando em Jabaquara.

Local do acidente grave em Guarapari (Foto: A Gazeta)G1

Escolas da rede estadual se mobilizam para II Encontro Estudantil

Evento integra o Dia D da Leitura, projeto de incentivo à leitura e de divulgação das obras de autores alagoanos lançado pela Seduc
As escolas estaduais estão a todo vapor para a segunda edição do Encontro Estudantil da rede estadual de Alagoas, que acontecerá em agosto. O evento, que estimula o protagonismo juvenil, teve seu edital publicado nesta quarta-feira (21) e contempla diversas atividades. Uma delas será o Sarau Encantos da Palavra Alagoana.

O evento também integra o Dia D da Leitura, projeto de incentivo à leitura e de divulgação das obras de autores alagoanos lançado pela Seduc e que terá seu ápice no dia 18 de julho. Até lá, a ação, que é alusiva à comemoração do bicentenário de Alagoas, será replicada em todas as Gerências Regional de Educação (Geres).


Uma das que já realizou seu sarau é a 13ª Gere, que contempla as escolas do Cepa, Bebedouro, Chã da Jaqueira e Alta Maceió. Para este evento foram enviadas 54 poesias. Na ocasião houve homenagens aos professores e a gestão das escolas, além de entrega de medalhas para os quatro alunos selecionados entre as quinze escolas estaduais participantes, cujas poesias vão participar do encontro estudantil.

A gerente da 13ª Gere, Mauricéia Lima, destacou a importância da seleção dos alunos e realização do Sarau poético como uma forma de estímulo à leitura e escrita. "Este é um momento muito rico e de imensa alegria ver os nossos alunos, inclusive os privados de liberdade, como é o caso dos alunos da Escola Estadual Paulo Jorge, participando desse sarau", afirmou Mauricéia.

Selecionados

Todos os participantes do Sarau também foram premiados e quatro estudantes foram selecionados para representar a 13ª Gere no Encontro Estudantil. São eles: Hevely Soares de Siqueira, Escola Moreira e Silva, 1º lugar; Myrian Giovana Viana, Escola Moreira e Silva, 2º lugar; Michel da Silva Santos, Escola Salete de Gusmão, em 3º lugar Jônata Ruan de Moura Silva, Escola Adeilza Maria, 4º lugar.


A coordenadora de Gestão de Ensino da 13ª Gere, Marijôse Albuquerque, explicou os critérios de avaliação usados na seleção das poesias. "Foram avaliados aspectos como coerência com o tema, correção gramatical, rima, criatividade e a originalidade. Tivemos uma grande participação dos alunos e isso nos alegra muito", destacou Marijôse.

Joseane Martins, diretora adjunta da Escola Moreira e Silva – que teve duas alunas no selecionadas para o concurso literário – falou do orgulho pelo resultado e de como o projeto se desdobrou na unidade de ensino.

“Ver a emoção de nossos alunos ao terem suas poesias declamadas e selecionadas dentre tantas produções que participaram do sarau foi incrível. Nossos professores de Língua Portuguesa desenvolveram um excelente trabalho, estimulando o interesse por esta tipologia textual entre os alunos. Foram tantas as produções  textuais que resolvemos desenvolver um projeto de leitura e escrita em nossa escola culminando com um Varal de poesias”, relatou a gestora.


A estudante Michele Bianca, da Escola Estadual Princesa Isabel, foi uma das 54 participantes do sarau. Ela falou de sua dedicação para elaborar a poesia. "Pesquisei referências sobre a história e cultura de Alagoas e tive a oportunidade de aprender um pouco mais sobre o meu Estado. Nunca tinha escrito uma poesia com tanta dedicação como essa e, realmente valeu muito a pena", disse a estudante, bastante orgulhosa.

Agência Alagoas
 
Copyright © 2013 Ferreira Delmiro - Seu blog de notícias e opinião.
Shared by Themes24x7Powered byBlogger