ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Colunistas

Em Delmiro

Educação & Oportunidade

Destaques

Diversos

Política

Saúde e Bem Estar

Mundo

Projeto Casca

CASCA – Centro de Ação Social para Crianças e Adolescentes, é uma entidade associativa, sem fins lucrativos, apolítica, composta por pessoas físicas unidas no ideal de fraternidade e consciência social. É uma instituição de Solidariedade.

Faça sua arte com Anderson C. Sandes

Panfletos, cartões de visitas, fachadas, flyers, blogs, logotipos, camisetas e muito mais...

sábado, 30 de abril de 2016

Pedro Pedro


Pedro parecia perecer
Parava, pensava... pulava
Pulava pelos pântanos
Pântanos pensados por Pedro

Pedro pedia pão
Pobre Pedro...
Pesadas portas

Pueril, pálido...
Passeava pelas pontes
Paletós pretos passavam
Pássaros pairavam
Peixes pegavam
Pedro, perplexo, pensava:
Pulo?
Pulou!

Pedro parecia perecer
Pulava, pensava... planava
Planava pelas pontes
Pontes pensadas por Pedro

ANDERSON C. SANDES


sexta-feira, 29 de abril de 2016

Prefeitura de Inhapi lança nota sobre matérias veiculadas sobre contrato de Locação com a empresa LLMAR Locadora.


A Prefeitura de Inhapi vem a público informar que existe 1 contrato de prestação de serviço, referente ao transporte escolar com a empresa LLMAR, onde a mesma faz gestão do transporte escolar no município.


Nas matérias não citam diretamente o município de Inhapi, mais fazem menção a imagens de pastas com contratos de locação da empresa e seus prestadores de local. Cabe informar que no município existe até 130 rotas, não sendo necessário 130 veículos, uma vez que 1 mesmo prestador pode atender até 3 rotas(matutina/vespertino/noturno). 

A matéria fala ainda sobre venda de nota fria, ou seja, venda de serviços inexistentes, que não é o caso de Inhapi. Mesmo assim o prefeito Ze Cicero solicitou que fosse revogado o contrato com a empresa LLMAR, e iria realizar outro certame de imediato, já que os serviços são essências ao município.

Ascom/Inhapi

O que a morte do último pediatra de Aleppo revela sobre a situação catastrófica da Síria

"Ele sempre estava ali. Preocupava-se com as necessidades das pessoas. Era honesto e muito comprometido. Trabalhava em condições que você não pode imaginar".

Assim foi descrito o médico Mohammed Wasim Moaz, que morreu em um ataque nesta semana a um hospital em Aleppo, na Síria. Quem conviveu com o médico e fez a descrição foi Aitor Zabalgogeazkoa, ex-chefe da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) na cidade síria.

Wasim, de 36 anos, não era apenas um médico. Era o último pediatra na zona de Aleppo controlada pela oposição, segundo Rami Abdurahman, chefe da ONG britânica Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

"O doutor Wasim era um pediatra extremamente dedicado, que optou por arriscar sua vida para continuar ajudando a população de Aleppo. Sua morte é uma tragédia terrível que terá um impacto devastador numa situação que já é crítica", afirmou a ONG Médicos sem Fronteiras à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

Ao menos 14 pessoas morreram na quinta-feira no ataque ao hospital Al Quds, considerado o principal centro de referência em pediatria na região.

A ONG Médicos sem Fronteiras prestava apoio ao hospital desde 2012, ao lado do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, fornecendo material médico, combustível e formação médica.

O centro contava com oito médicos e 28 enfermeiros que trabalhavam em tempo integral. No ataque, segundo a ONG, morreram dois médicos, dos enfermeiros, um segurança, um funcionário de manutenção e oito pacientes.

O hospital, reduzido a escombros, tinha 34 leitos, setor de urgência, serviço de consultas externas, ambulatório e UTI, entre outros recursos.

Fontes locais atribuíram o ataque a forças leais ao governo de Bashar Al-Assad, mas o governo negou responsabilidade.

Ajuda em perigo

O responsável pela assistência humanitária da ONU à Síria, Jan Egeland, se disse alarmado pelo ataque e que a ajuda dessa natureza para grande parte do país está em risco.

"Quando a população está sangrando por essa guerra, é catastrófico que médicos, enfermeiros e ajudantes estejam sendo bombardeados e assassinados. O último pediatra no leste de Aleppo morreu. Isso não pode continuar. Agora é quando precisamos de trabalhadores em saúde", disse.

A disponibilidade de pessoal médico na Síria foi impactada pelos cinco anos de guerra civil que deixaram mais de 270 mil mortos e deslocaram milhões de moradores.

Aleppo é uma cidade dividida desde 2012, por um conflito entre forças leais ao governo e opositores.

Segundo o MSF, em março deste ano restavam menos de 80 médicos na área da cidade controlada pela oposição, que abriga cerca de 250 mil pessoas. Havia, por exemplo, apenas dois ginecologistas.

O aumento das hostilidades nas últimas 48 horas causou a morte de ao menos 60 pessoas na região de 
Aleppo.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha disse que tais ataques colocam a cidade à beira de um desastre humanitário.
Fim da trégua?

Regiões da Síria que estavam em situação crítica por falta de remédios, alimentos e outros produtos básicos começaram a receber ajuda nas últimas semanas, graças à entrada em vigor de um cessar-fogo fechado por algumas das principais forças em conflito.

A trégua, apoiada pelos Estados Unidos e pela Rússia, permitiu a abertura de corredores humanitários para envio desses itens.

O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, alertou que o frágil pacto poderia entrar em colapso "a qualquer momento".

G1

Cunha recebeu propina, diz ex-vice da Caixa

O ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto, indicado ao cargo pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que seu padrinho político recebeu propina em troca da liberação de verbas do fundo de investimentos do FGTS. A declaração faz parte do procedimento preliminar feito para firmar o acordo de delação premiada. Cleto foi alvo de busca e apreensão da Operação Lava Jato cinco dias após ser exonerado do cargo, em dezembro.

A informação é da Folha de S.Paulo. Caso o acordo se concretize, o ex-vice da Caixa será o sétimo investigado da Lava Jato a acusar o presidente da Câmara de envolvimento no esquema de corrupção.

Segundo os repórteres Aguirre Talento e Márcio Falcão, nos relatos preliminares da colaboração, 
Cleto confirmou que houve os pagamentos de propina a Cunha relatados pelos delatores da Carioca Engenharia, Ricardo Pernambuco e Ricardo Pernambuco Júnior. Os dois contaram que o peemedebista cobrou R$ 52 milhões em propina em troca da liberação de recursos do fundo de investimento do FGS para o projeto do Porto Maravilha, do qual a Carioca obteve a concessão em consórcio com a OAS e a Odebrecht.

“O congressista [Cunha] tinha comprovada conexão com Fábio Cleto, então vice-presidente da instituição financeira federal e membro do conselho curador do FGTS”, escreveu o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em fevereiro, ao abrir um inquérito contra Eduardo Cunha sobre o caso.

O presidente da Câmara foi denunciado duas vezes pela PGR e responde a outros três inquéritos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo a Folha, Cunha informou, por meio de sua assessoria, que não conhece a delação de Cleto.

Agência Brasil

Delmirense cria campanha na internet para realização de centro de recuperação animal

Uma jovem delmirense lançou uma campanha na internet, onde pede a participação de internautas para realização de assinaturas com intuito de solicitar da Câmara de Vereadores e Prefeitura de Delmiro Gouveia um projeto de um Centro de Controle de Zoonoses e Bem-Estar Animal.

A atitude foi tomada por Silmara Farias, devido ao grande número de animais que são vistos abandonados no centro da cidade e também nas imediações do Mercado Público.

A reportagem do portal Radar 89 apurou que o projeto já existe e foi solicitado pelo vereador Milton Lisboa (PMDB), mas até o momento nada foi feito.

Para participar da campanha, clique AQUI.

Por Ítallo Timóteo | radar89.com.br
 
Copyright © 2013 Ferreira Delmiro - Seu blog de notícias e opinião.
Shared by Themes24x7Powered byBlogger